domingo, 25 de julho de 2010

Morangos mofados.



Respire o tédio e deixe desabrochar o som de sua essência. Ele fica correndo dentro de corpos ambulantes em ritmos alucinados. Engula-o e transforme-o em arte. Em seguida, deixe sair o que há de mais insano em você. Com tanto pulsar em suas paredes internas, o que sair para o mundo, pode ser mais útil do que você imagina. Pode ser a chave de que precisa. O frenesi do qual havia sonhado por tantos pesadelos. São morangos mofados. Por fora os poros alivia todo o odor de putrefato. Por dentro os vermes brincam de balanço na parte mais carnuda do fruto.



Deyvid Braga Notario.

3 comentários:

sergio disse...

nossa.. nao sabia que vc escrevia tao bem, muito legal seu blog, vou acompanhar...

abraço...........sérgio

Matheus disse...

Parabéns, você escreve muito bem, fiquei impressionado, gostei bastante...hehehe

thais disse...

não quero ser um morango mofado...